Notícia   05 de Março de 2018

Internet das coisas foi o destaque da John Deere para o Agrifutura

Evento apresentou as principais soluções da empresa para garantir a utilização máxima do campo de forma sustentável

No último fim de semana, a John Deere participou da primeira edição do Agrifutura, no Instituto Biológico, em São Paulo (SP). O evento teve como foco mostrar os principais investimentos de instituições e empresas para aumentar a produtividade e o desempenho da agricultura conectada, de maneira sustentável. Durante o encontro, um dos cases que mais chamou a atenção dos participantes foi o ministrado pela John Deere sobre internet das coisas (IoT), apresentado pelo gerente de agricultura de precisão, Rois Nogueira.

 

Ele destacou o portfólio de soluções que a empresa possui em otimização de máquinas — para obter máximo resultado — e de operações — para aumentar a eficiência operacional. Um exemplo disso é a criação do Operation Center, uma plataforma aberta de informações que permite a transmissão de dados do campo para o escritório. “O diferencial é que, por ser aberta, o produtor pode compartilhar os dados com outras empresas e startups para desenvolvimento de novas tecnologias, softwares e aplicativos”, afirma Nogueira.

 

Outro exemplo de investimentos em agricultura conectada é a tecnologia apresentada pelo trator 5078E, que ficou exposto durante os dois dias de evento. A máquina é dotada da solução JDLink™, que garante o monitoramento remoto de operações em tempo real (a partir de um computador ou smartphone conectado à internet). Por meio dela, o aplicativo da empresa faz a coleta e o processamento de informações e possibilita o gerenciamento da disponibilidade, desempenho e os custos de produção das máquinas e do negócio.

 

Dessa forma, os dados recebidos mostram não só o que ocorre na lavoura, mas também informações que permitem a avaliação do equilíbrio operacional, indicação de planos de manutenção preventiva, economia de combustível, entre outros benefícios.

 

O objetivo é mostrar aos agricultores como extrair o maior número de informações com os dados para oferecer melhor suporte às decisões agronômicas dos produtores. “Com isso, poderemos transformar dados em valor e inteligência para garantir a utilização máxima do campo, de forma sustentável, em cada uma das etapas produtivas”, acrescenta Nogueira.