Notícia   05 de Março de 2018

John Deere traz inovação para primeira edição do Agrifutura

Investimentos em agricultura de precisão e internet das coisas são as grandes apostas da empresa para o futuro do agronegócio no País

Já faz um tempo que os avanços tecnológicos impactam o agronegócio no mundo. No Brasil, a situação não é diferente. Por aqui, a agricultura de precisão e a internet das coisas (IoT) têm ajudado produtores na otimização de processos e na mensuração de variáveis que auxiliam na tomada de decisões. As mudanças têm gerado bons resultados e aumentado as estimativas de crescimento do mercado. Por exemplo, segundo o Plano Nacional de Internet das Coisas, lançado pelo governo, a implementação de sistemas de comunicação inteligente entre máquinas gerará um impacto de US$ 21 milhões na área agrícola brasileira até 2025.

 

Para discutir como a agricultura de precisão e os lançamentos tecnológicos podem gerar novas oportunidades e maneiras de garantir a produção sustentável de alimentos, a John Deere participa da primeira edição do Agrifutura, por meio do concessionário Terraverde. O evento ocorre nos dias 3 e 4 de março, no Instituto Biológico (SP), das 8h às 19h. O objetivo do encontro é promover o compartilhamento de conhecimento entre diversos setores da sociedade e apresentar o que as instituições e as empresas estão fazendo para modernizar o agronegócio no País.

 

No caso da John Deere, a companhia mostrará as soluções completas que possui em otimização de maquinário e de operações, além de suporte às decisões agronômicas. Para isso, a empresa promoverá um painel sobre “Internet das Coisas (IoT) - Sistemas de Informação”, com Rois Nogueira, gerente de Agricultura de Precisão da empresa. A palestra será no domingo (4), às 11h, terá a presença de instituições de pesquisa e de outras empresas, e mostrará de que forma a comunicação entre máquinas e o uso de dados de execução garantirá máquinas mais inteligentes e precisas.

 

“O uso de IoT faz com que o operador consiga otimizar os ativos que possui no campo, em termos de máquinas, área cultivável, infraestrutura ou logística. Além disso, permite alcançar um nível superior de gestão e controle dos elementos, o que garante maior produtividade e rentabilidade agrícola”, afirma Rois.

 

Ele destaca também que a utilização de IoT é uma das apostas da empresa para os próximos anos. Por isso, a John Deere tem investido cada vez mais em tecnologia de ponta. “Acreditamos que, por meio de investimentos na área, será possível superar o desafio que a agricultura brasileira possui em alimentar a crescente população mundial, que deve chegar a 9 bilhões de pessoas até 2050”, acrescenta.

 

Inovação na lavoura

 

Um dos destaques do evento será o Trator 5078E da John Deere, que ficará exposto no estande da empresa durante os dois dias de evento. Desenvolvido para o preparo do solo, a máquina mostra-se versátil e forte para suportar as tarefas do dia a dia com flexibilidade, economia e conforto. Ele é ideal para trabalhos em pequenas propriedades como cultivo de grãos, hortaliças, frutas e criação de gado.

 

Já como diferencial, os principais pontos do produto são o baixo investimento e a possibilidade de fazer todas as operações com economia de combustível, menor tempo de manobra e de ajustes, além de maior rendimento operacional. O trator possui ainda opcional de piloto automático e motor agrícola com 4 cilindros. Há também a seleção de marcha sincronizada que permite a troca de marchas, inclusive a ré, sem a parada da máquina, o que é uma característica única dentro do mercado.

Além disso, o trator possui a solução JD Link™, responsável pelo monitoramento remoto de operações em tempo real (a partir de uma conexão com a internet), e que permite acesso por meio de um computador ou smartphone. O aplicativo faz a coleta e o processamento de informações e possibilita que os clientes gerenciem a disponibilidade, o desempenho e os custos de produção das máquinas e do negócio. Os dados recebidos mostram não só o que ocorre na lavoura, mas também informações que permitem a avaliação do equilíbrio operacional, indicação de planos de manutenção preventiva, economia de combustível, entre outros benefícios.