Releases   Março 31, 2017

John Deere lidera o Dia de Campo ILPF e mostra benefícios em fazenda modelo

Dia de Campo ILPF (Divulgação)

Dia de Campo ILPF (Divulgação)

Evento aconteceu em 31 de março, na Fazenda Santa Brígida, em Ipameri (GO)

A adoção do sistema produtivo conhecido como Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) já atinge quase 12 milhões de hectares em todo o País. E, desta forma, a agricultura brasileira confirma todo seu potencial para atender ao aumento da demanda global por alimentos, aliando produtividade e sustentabilidade. Incentivadora do sistema há uma década, a John Deere lidera novamente o Dia de Campo ILPF, na fazenda modelo Santa Brígida, em Ipameri (GO), nesta sexta-feira 31. O evento é realizado pela Rede de Fomento à ILPF.

Aberto ao público, o Dia de Campo divulga os benefícios da produção integrada em suas diversas possibilidades, além de mostrar como é a administração de uma propriedade com ILPF. Espera-se cerca de mil pessoas no evento, entre estudantes de faculdades e ensino técnicos, pesquisadores e produtores regionais.

“A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta é uma revolução agrícola que nasceu no Brasil e aqui pode ser utilizada em toda sua potencialidade, pelo clima tropical. Ela é a grande resposta do País para a demanda mundial em produzir mais alimentos, por meio de mais produção na mesma área. Ao mesmo tempo, a ILPF ainda protege biomas, trabalha sobre áreas degradadas, planta árvores. Além disso, o metano eliminado da pecuária retorna para a árvore. Em suma: adotar a ILPF é demonstrar que produzir e preservar é possível”, diz Paulo Herrmann, presidente da John Deere no Brasil. “E vamos trabalhar cada vez mais para que os produtos gerados em propriedades que adotam ILPF sejam valorizados e reconhecidos pelos consumidores”, completa.

A edição deste ano vai se debruçar a apresentar e entender os números da adoção da integração ecossistêmica em todo o Brasil, resultado da pesquisa encomendada pela Rede com a consultoria Kleffmann Group. Os 11,5 milhões de hectares adotados com a tecnologia significam três vezes mais do que o estipulado anteriormente. Mato Grosso do Sul (2.085.518 ha), Mato Grosso (1.501.016 ha) e Rio Grande do Sul (1.457.900 ha) são os principais estados com áreas que praticam a integração.

Desenvolvida há cerca de três décadas pela Embrapa e aplicada em diversas pesquisas de campo, inclusive na fazenda Santa Brígida, a integração de sistemas busca a intensificação sustentável do uso da terra em áreas agrícolas e o aumento da eficiência dos sistemas de produção, além de responder a uma necessidade de redução de desmatamento e da emissão de gases de efeito estufa.

Encontro ILPF

Na quinta-feira (30), a Rede de Fomento organizou uma reunião técnica sobre a evolução da adoção da ILPF no Brasil, seguida de palestras e apresentações de histórias de sucesso com a tecnologia. Maurício Lopes, presidente da Embrapa, deu início à reunião com análise sobre o avanço da integração nas fazendas brasileiras.

Já Paulo Herrmann abordou o papel da Rede, as contribuições já realizadas e, principalmente, os próximos passos. Após Herrmann, a engenheira agrônoma e ex-secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Mônika Bergamaschi, deu palestra sobre possibilidades de reforma na Legislação Trabalhista para o trabalhador rural.

O encontro teve ainda uma mesa redonda com casos de sucesso com a adoção da ILPF. O Diretor Executivo da Rede de Fomento à ILPF, William Marchió, coordenou a apresentação de três histórias de propriedades que adotaram a técnica: Fazenda Nelson Guerreiro, de Brotas (SP); Fazenda Modelo II, em Ribas do Rio Pardo (MS) e Fazenda Nossa Senhora das Graças, em Caarapó (MS). Os agricultores contaram aos participantes os obstáculos encontrados e o que eles fizeram para ultrapassá-los.