Releases   Junho 21, 2016

John Deere participa da feira Intercorte e discute pecuária de precisão e integração de sistemas

A pecuária intensiva, aliada ao conhecimento digital, faz surgir a pecuária de precisão - atividade que une eficiência produtiva com sustentabilidade. Para discutir maneiras de acelerar a difusão e adoção do método, Paulo Herrmann, presidente da John Deere, esteve nessa quinta-feira, 16/6, em São Paulo (SP) na feira Intercorte, evento voltado para a cadeia produtiva da carne bovina. O executivo palestrou e debateu sobre novos conceitos e ferramentas para a pecuária de precisão com Maurício Lopes, presidente da Embrapa; Gustavo Junqueira, presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB); e Daniel Pereira, vice-governador de Rondônia.

Em sua fala, Herrmann afirmou que vivemos um momento de "ruptura" - via era digital - em que a velocidade do conhecimento serve para refletirmos sobre novos modelos de negócio que surgem em todos os segmentos, avançam e colocam em xeque modelos tradicionais. Ele explicou que a competição de mercado agora se dá globalmente e a eficácia produtiva deve acontecer com responsabilidade ambiental.

"No Brasil temos a água e a terra por conta da localização tropical. É uma vantagem. Só que, ainda hoje vemos campo e lavoura como segmentos distintos, sendo que não são. Precisamos combiná-los e a integração sistêmica é uma forma de potencializar a terra e a água, além de mitigar riscos que o produtor tem no modelo tradicional", disse Herrmann. Ele deu exemplo dos produtores em Goiás, que sofreram com a seca na safra de milho. Aqueles que investiram na cultura única tiveram problemas, enquanto os que utilizaram a integração conseguiram ter a palha para a silagem e a braquiária para a pastagem - diluindo o problema gerado pelo clima.

"Passamos pela fase da revolução tecnológica no agronegócio. Agora a revolução é a da gestão. Para integrar sistemas não basta somar culturas, mas agregar inteligências", disse.

Herrmann ainda ressaltou que a sociedade atualmente tem 85% de predominância urbana e tal número tende a crescer. Grande parte do desafio, explicou, é fazer com que esta população entenda as necessidades políticas, sociais, econômicas e de infraestrutura do agronegócio - mesmo que ela não viva tal realidade de maneira direta. Em sua palestra sobre a pecuária no mundo digital, Maurício Lopes, da Embrapa, reforçou a importância da integração e disse que o modelo, para ter sucesso, não basta se somente agregar culturas produtivas, mas sim se houver uma infraestrutura que gere capacidade de colocar em prática.

"Um dos grandes desafios para o futuro são as inovações gerenciais que as atividades intensificadas vão exigir. Será preciso formar profissionais e ferramentas que lidem com a gestão complexa de cultura", disse. Na palestra, Lopes lembrou que para a adoção da integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) o Brasil possui a maior política pública do mundo para controlar a emissão de carbono, o Plano ABC.

No fim do dia, Paulo Herrmann participou ainda de um encontro promovido pelo Comitê de Liderança e Juventude da Sociedade Rural Brasileira, debatendo sobre o impacto das mudanças de padrão de consumo no agronegócio.